“A federalização da Celg é prova da incompetência administrativa,” diz Gomide

0
61

gomideO candidato do PT ao governo de Goiás, Antonio Gomide, concedeu entrevista à Rádio 730, na manhã desta terça-feira (12). Com ele, se encerrou a primeira rodada de entrevista com os concorrentes ao Palácio das Esmeraldas. O único que não compareceu foi o governador e candidato à reeleição, Marconi Perillo (PSDB).

Antônio Gomide foi entrevistado pelo apresentador da primeira edição do Jornal 730, Rubens Salomão, e pelos comentaristas Cléber Ferreira, Vassil Oliveira, Eduardo Horácio e Eduardo Sartorato.

A respeito da segurança pública, o petista apontou como principal ação para redução dos índices da criminalidade, o combate às desigualdades sociais. Ele critica a atual gestão exemplificando o caso da Polícia Civil, que segundo ele passou quase dois anos de greve na administração de Marconi Perillo.

Em relação as Organizações Sociais que administram os estabelecimentos de saúde do governo estadual, Gomide defende que a medida seja tomada apenas em casos de emergência, e que não sejam uma regra, como quer a administração tucana. O candidato também aponta que é necessário focar os trabalhos da área nos atendimentos à família.

A Celg é tema frequente nos debates eleitorais deste ano. Para o petista, o problema começou quando o PMDB vendeu Cachoeira Dourada. “O governo do PSDB enterrou o resto,” complementa.

Antes do período eleitoral, muito se debateu se a oposição estaria ou não unida em torno de uma única candidatura. O fato não se consumou. Antonio Gomide afirma que o PT foi o partido que lutou até o final para a união, e ainda diz que chegando ao segundo turno, espera contar com o apoio dos outros candidatos que se opõem aos atual governador.

730