Família morta em colisão na GO-139 apadrinhou garota que sobreviveu

0
291

Eles não resistiram após batida contra caminhão; menor tem quadro estável.

Única sobrevivente do acidente que matou um casal e sua filha, na GO-139, em Caldas Novas, no sul de Goiás, no domingo (3), a adolescente Mariana Vitória dos Reis de Jesus, de 15 anos, vive em um abrigo e passava as férias com a família após ser apadrinhada. A garota está internada no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) e, segundo a unidade, tem quadro clínico estável.

Já a promotora de Justiça Marivânia Palmeira de Oliveira Feres, de 46 anos, o marido dela, o advogado Jofre Feres Neto, de 50, e a filha do casal, Isabela Palmeira de Oliveira Feres, de 8, morreram após o carro em que estavam bater contra um caminhão. O caminhoneiro saiu ileso.

De acordo com a tia de Marivânia, Ieda Palmeira de Barros, de 74 anos, a família está inconsolável. “Todos estão transtornados, abatidos. Saem para passear e voltam mortos, isso não tem condição”, disse a aposentada ao G1.

Apesar de atuar na Promotoria de Infância e Juventude de Cidade Ocidental, município goiano do Entorno do Distrito Federal, Marivânia morava com a família em Brasília. A tia da mulher diz que todos os anos ela tirava uma criança do orfanato para passar as festas de fim de ano.

“Ela sempre ajudou muito [os abrigos], presenteava várias crianças. Neste ano, a Mariana ficou de recuperação na escola. A Marivânia disse que se ela passasse, iria passar a virada em Caldas Novas. Antes eles já tinham ido para Pirenópolis [no leste goiano]”, afirma.

Apadrinhamento
Mariana vive no abrigo Casa Lares Rebecca Jenkins, em Cidade Ocidental. A assistente social Rafaela Mendes disse que ela mora no local há cerca de dez anos, mas não deu detalhes sobre parentes ou como a adolescente chegou até o orfanato.

Ela explicou que já é de praxe algumas crianças passarem Natal e réveillon fora da instituição. “Temos várias famílias que apadrinham. A promotora mesmo á faz isso tem mais de dez anos. Tudo é feito mediante uma autorização da Justiça”, salienta.

Acidente
O acidente aconteceu quando a família voltava para casa. O casal e a criança morreram na hora. Já a adolescente foi socorrida e levada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Caldas Novas.

Como ela apresentava várias fraturas, foi transferida pelo Corpo de Bombeiros, de helicóptero, para o Hugo, em Goiânia, onde permanecia internada na noite de domingo.

G1