Família morta em colisão na GO-139 apadrinhou garota que sobreviveu

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Eles não resistiram após batida contra caminhão; menor tem quadro estável.

Única sobrevivente do acidente que matou um casal e sua filha, na GO-139, em Caldas Novas, no sul de Goiás, no domingo (3), a adolescente Mariana Vitória dos Reis de Jesus, de 15 anos, vive em um abrigo e passava as férias com a família após ser apadrinhada. A garota está internada no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) e, segundo a unidade, tem quadro clínico estável.

Já a promotora de Justiça Marivânia Palmeira de Oliveira Feres, de 46 anos, o marido dela, o advogado Jofre Feres Neto, de 50, e a filha do casal, Isabela Palmeira de Oliveira Feres, de 8, morreram após o carro em que estavam bater contra um caminhão. O caminhoneiro saiu ileso.

De acordo com a tia de Marivânia, Ieda Palmeira de Barros, de 74 anos, a família está inconsolável. “Todos estão transtornados, abatidos. Saem para passear e voltam mortos, isso não tem condição”, disse a aposentada ao G1.

Apesar de atuar na Promotoria de Infância e Juventude de Cidade Ocidental, município goiano do Entorno do Distrito Federal, Marivânia morava com a família em Brasília. A tia da mulher diz que todos os anos ela tirava uma criança do orfanato para passar as festas de fim de ano.

“Ela sempre ajudou muito [os abrigos], presenteava várias crianças. Neste ano, a Mariana ficou de recuperação na escola. A Marivânia disse que se ela passasse, iria passar a virada em Caldas Novas. Antes eles já tinham ido para Pirenópolis [no leste goiano]”, afirma.

Apadrinhamento
Mariana vive no abrigo Casa Lares Rebecca Jenkins, em Cidade Ocidental. A assistente social Rafaela Mendes disse que ela mora no local há cerca de dez anos, mas não deu detalhes sobre parentes ou como a adolescente chegou até o orfanato.

Ela explicou que já é de praxe algumas crianças passarem Natal e réveillon fora da instituição. “Temos várias famílias que apadrinham. A promotora mesmo á faz isso tem mais de dez anos. Tudo é feito mediante uma autorização da Justiça”, salienta.

Acidente
O acidente aconteceu quando a família voltava para casa. O casal e a criança morreram na hora. Já a adolescente foi socorrida e levada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Caldas Novas.

Como ela apresentava várias fraturas, foi transferida pelo Corpo de Bombeiros, de helicóptero, para o Hugo, em Goiânia, onde permanecia internada na noite de domingo.

G1

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.