Em visita à SEMARH prefeito pede prioridade para licença da obra do aeroporto

0
66

aeroportoO prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela, se reuniu na tarde desta quarta-feira (27) com a secretária estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Jaqueline Vieira, para pedir prioridade no processo de liberação ambiental para a construção do Aeroporto Executivo Rosa dos Ventos. Autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) já havia sido expedida desde março de 2003 faltando apenas a licença ambiental.

Maguito esteve acompanhado dos secretários Marcos Alberto Luiz de Campos (Indústria, Comércio, Ciência e Tecnologia) e Fábio Camargo (Meio Ambiente) e de uma comitiva formada pelos investidores do empreendimento. “A cidade tem uma vocação logística enorme principalmente devido à localização. A cada mês chegam novas indústrias e empresas. Com a vinda do IF e do campus da UFG, que proporcionará a formação de mão-de-obra qualificada, a construção do aeroporto será um atrativo a mais que a cidade tem a oferecer” – conta o prefeito.

Segundo Jaqueline Vieira o processo terá prioridade mas os responsáveis pela obra deverão apresentar o Plano de Gestão Ambiental (PGA) para a obtenção da licença. O Aeroporto Rosa dos Ventos será um empreendimento privado realizado por um grupo de empresas do setor, com a autorização e suporte da prefeitura. O empreendimento está sendo realizado em parceria com a Associação Comercial e Industrial de Aparecida de Goiânia (Aciag) e será inspecionado pela ANAC e demais órgãos competentes.

Para a secretária, Aparecida de Goiânia é uma região que merece todo apoio das instituições públicas estaduais, visto sua localização estratégica e a grande demanda aeronáutica existente em Goiás. “Esta obra vai desafogar o aeroporto Santa Genoveva e a escola de Aviação”, afirma. O encontro aconteceu no gabinete da secretária, localizado no primeiro andar do palácio Pedro Ludovico Teixeira, no Centro de Goiânia.

O terreno onde está sendo construído o Aeroporto Rosa dos Ventos está há 20 km de distância do Santa Genoveva. Todas as interferências no aeroporto de Goiânia e bases aéreas foram avaliadas pela ANAC. O projeto prevê a construção da garagem que abrigará toda a frota goiana, considerada hoje uma das quatro maiores do país em capacidade de manutenção, contabilizando mais de mil aeronaves, e também do parque de manutenção das aeronaves.

Estrutura

O projeto do Aeroporto Executivo de Aparecida de Goiânia também é acompanhado pessoalmente pelo ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencourt de Oliveira, desde a proposta inicial, em 2012, tendo sido bastante discutido principalmente do ponto de vista jurídico e técnico. “Todas as interferências, no aeroporto Santa Genoveva e bases aéreas, foram avaliadas”, esclareceu o secretário de Indústria, Comércio, Ciência e Tecnologia de Aparecida de Goiânia, Marcos Alberto Luiz Campos.

O projeto abrange um sítio portuário de 150 hectares e está orçado em R$ 30 milhões e trata-se de um empreendimento realizado com capital privado, sob orientação da administração municipal. Prevê a construção da garagem que abrigará toda a frota goiana – considerada hoje uma das quatro maiores do país em capacidade de manutenção, contabilizando mais de mil aeronaves – e do parque de manutenção das aeronaves.

“Nosso aeroporto vai promover o desafogamento do Santa Genoveva, em Goiânia, que poderá se destinar totalmente à aviação comercial”, completou o secretário, lembrando que o projeto de Aparecida agregará tecnologia nos setores de mecânica e mecatrônica, e vai promover intercâmbio com todos os estados brasileiros e, eventualmente, internacional, desde a implantação até o pleno funcionamento do aeroporto. A expectativa é que seja concluído em 2014.

SecomAp