El Niño ameaça 60 milhões de pessoas em países em desenvolvimento

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

El Niño é um aquecimento que ocorre do centro ao leste do Oceano Pacífico e afeta os padrões de chuvas e as temperaturas em muitas partes do mundo – mais intensamente nas regiões tropicais da África, da Ásia-Pacífica e da América Latina, que são particularmente vulneráveis a desastres naturais. Tipicamente, alguns lugares recebem muito mais chuvas que o normal, enquanto outros atravessam períodos de estiagem.

“Nós estamos vendo os desastres do El Niño, e acreditamos que o impacto na saúde pública tende a continuar ao longo de 2016”, afirmou o diretor do Departamento de Gerenciamento de Risco e Resposta Humanitária da Organização Mundial da Saúde (OMS), Richard Brennan na sexta-feira (22). “Para prevenir mortes e doenças desnecessárias, os governos devem investir agora em fortalecer o seu preparo e os seus esforços responsivos’’.

De acordo como o novo relatório da OMS, a seca severa, as enchentes, as chuvas fortes e o aumento na temperatura são efeitos associados a El Niño que podem levar à insegurança alimentar e à desnutrição, surtos de doenças, crises hídricas, e a interrupções nos serviços de saúde.

As implicações de saúde são geralmente mais intensas em países em desenvolvimento que possuem menor capacidade de redução dessas consequências. Segundo as projeções, o atual El Niño de 2015 a 2016 será o pior dos últimos tempos, e comparável ao de 1997-1998, que trouxe consequências drásticas em todo o mundo.

Baseado nas últimas análises da ONU, o relatório estima que 60 milhões de pessoas serão impactadas pelo fenômeno neste ano. Até agora, pedidos de ajuda financeira para sete países de alto risco – Etiópia, Lesoto, Quênia, Papua Nova Guiné, Tanzânia e Uganda – alcançaram 76 milhões de dólares. A OMS estima que ainda mais países solicitarão apoio.

Entre as ações de auxílio estão: o fornecimento serviços de saúde adicionais aos que necessitam, o aumento da vigilância e da vacinação de emergência, a promoção de práticas de saúde e higiene, melhoria nos sistemas de água e saneamento, o fortalecimento da logística da cadeia de suprimentos médicos e tratamentos de subnutrição para as crianças de países como a Etiópia.

Envolverde

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.