Educação integral muda rotina de alunos da rede pública de ensino

0
47

educacaoSeis meses após ser implantada no DF, a educação integral já atende cerca de 50 mil alunos da rede pública. Os resultados obtidos até agora são considerados positivos tanto pela Secretaria de Educação quanto por pais e alunos. O novo sistema está presente em todas as escolas públicas de Brazlândia, cidade escolhida para ser piloto do projeto, e em mais 304 unidades em todo o DF.

Para os pais e alunos, as grandes conquistas são a melhora do rendimento escolar e a tranquilidade de manter os filhos ocupados nas horas vagas.

“Hoje vou para o trabalho sossegada pois sei que minha filha está na escola e não nas ruas. Isso é o que todo pai quer ver: os filhos recebendo estudo, enquanto a gente luta pelo pão de cada dia”, afirmou Marenice da Costa Lima, 33 anos, mãe de Érica Lima, de 13 anos, que cursa o 6º ano.

A filha concorda e admite que seu rendimento escolar melhorou:” “Eu tenho dificuldade para aprender. Depois que passei a estudar em tempo integral, as dificuldades diminuíram e tenho certeza que não vou reprovar de novo”, disse a estudante.

Colega de turma de Erica, André João, também de 13 anos, diz que já foi reprovado duas vezes, mas agora mudou de vida.”Ganhei novo ânimo para seguir em frente nos estudos. Eu saía da escola e ia brincar na rua. Hoje, chego em casa e estudo um pouco mais”, revelou.

A mãe do estudante, Marinalva Rodrigues, 47 anos, confirma o interesse do filho “Ele (o filho), ficando o dia todo na escola, me mostrou uma personalidade que eu achava que ele não tinha. Ele agora é estudioso e pra mim é um exemplo”, comemorou.

MAIS ESCOLAS – A expectativa da Secretaria de Educação é que até 2018 todas as escolas públicas do DF tenham ensino integral. A próxima cidade beneficiada será Santa Maria e a expectativa é que o novo método seja implantado no primeiro semestre do próximo ano.

Ao contrário do método regular, onde o conteúdo teórico ocupa a maior parte da grade curricular, o novo sistema tem atividades lúdicas e livres, o que torna o ambiente mais atrativo ao jovem.

Os alunos passam 10 horas por dia desenvolvendo atividades pedagógicas. Durante esse período, eles fazem três refeições – café da manhã, almoço e lanche da tarde -, praticam esportes e ainda aprendem, na prática, o funcionamento de órgãos públicos.

Para o secretário de Educação, Marcelo Aguiar, “as possibilidades de ensino são muitas, e se pode ensinar física durante um jogo de futebol e biologia durante um passeio ao zoológico”, exemplificou.

A Secretaria de Educação desenvolve atividades teóricas e práticas na mesma proporção, ajuda a melhorar o desempenho escolar, além de ensinar de forma global a cidadania, a ética e o respeito.

GDF