Datafolha registra descrença dos eleitores; desencanto de junho?

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Datafolha confirma estragos da mídia

Por Altamiro Borges, em seu blog

A pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira (6) aponta o crescente ceticismo da sociedade com a política e confirma os danos causados pela cobertura terrorista da mídia privada. Ela mostra que todos os presidenciáveis sofreram queda; já o número de indecisos e dos que afirmam que votarão nulo nas eleições de outubro teve forte alta.

foto1

Em relação ao Datafolha de maio, data da pesquisa anterior, a presidenta Dilma Rousseff variou de 37 para 34% das intenções de voto; Aécio Neves, o cambaleante tucano, caiu de 20 para 19%; já o “dissidente” Eduardo Campos recuou de 11 pra 7%, ficando tecnicamente empatado com o Pastor Everaldo Pereira (PSC), que abocanhou 4% de intenções de voto.

Como realça a Folha, o jornal que não esconde sua “posição oposicionista” – segundo recomendações da executiva empresa e ex-presidente da Associação Nacional dos Jornais (ANJ) –, “a nova rodada do Datafolha mostra que o que cresceu de forma notável entre maio e agora foi o total de eleitores que não sabem em quem votar, de 8% para 13%.Além disso, outros 17% afirmam que pretendem votar nulo, em branco ou em nenhum dos candidatos apresentados. Combinados, esses números podem ser um sinal de forte desalento em relação à disputa. Na comparação com os mesmos períodos de eleições anteriores, a atual taxa de eleitores sem candidato (30%) é recorde desde 1989”.

Este ceticismo recordista tem variadas motivações – como a crise de representação das instituições democráticas ou os temores com os rumos da economia, num mundo capitalista que afunda em prolongada recessão. Mas a razão principal é a própria cobertura manipulada dos veículos de comunicação, sob o domínio de apenas sete famílias.

Por razões políticas e econômicas, a mídia monopolizada espalha um clima de pessimismo na sociedade brasileira. Notícias positivas, como a redução do desemprego e o aumento da renda dos assalariados, viram notinhas. Já as negativas, inclusive com enfoques distorcidos, são manchetes nos jornalões e motivo de escarcéu dos histéricos comentaristas da rádio e tevê.

Tanto que o Datafolha – também batizado de “Datafalha” – fez questão de ouvir os entrevistados sobre os rumos do país e a Folha bateu na tecla: “Pessimismo com a economia bate recorde”. Segundo a pesquisa, as expectativas com a inflação e o desemprego se deterioraram e 36% dos consultados afirmaram que a situação econômica do Brasil vai piorar.

foto2

“É a primeira vez que o grupo dos pessimistas supera o dos que acham que tudo fica como está”, festeja o jornalão oposicionista. Num país em que os índices de desemprego são os mais baixos da sua história e que a inflação está sob controle – num patamar bem melhor do que no triste reinado de FHC –, o ceticismo midiático contagia parcelas da sociedade.

E ainda há gente no governo federal que é contra qualquer regulação democrática dos meios de comunicação, que enfrente o poder manipulador da mídia monopolizada!

PS do Viomundo: Em nossa opinião, há bem mais aqui que a influência do discurso da mídia. O mal estar do eleitorado expressa danos evidentes — expostos claramente nas jornadas de junho — ao reformismo fraco da coalizão que governa o Brasil. É um erro grave não entender isso. Muitos eleitores tinham expectativas crescentes em relação ao futuro que não foram atendidas. Agora expressam seu desencanto com o sistema político como um todo.

Viomundo

fot4

Notícia postada em  

  • 9 de junho de 2014
  • Da Redação