Coreia do Sul diz que está pronta para ataque preventivo contra Coreia do Norte

This photo taken and released by North Korea's official Korean Central News Agency (KCNA) on March 29, 2013 shows a gathering at Kim Il Sung Square in Pyongyang to support the statement of the Supreme Command of the North Korean Army and to win victory in the battle with the US and South Korea. The White House said Friday it took a new warning from North Korea that it was in a state of war with South Korea seriously, but said Pyongyang's threats were following a familiar pattern. THIS PICTURE WAS MADE AVAILABLE BY A THIRD PARTY. AFP CAN NOT INDEPENDENTLY VERIFY THE AUTHENTICITY, LOCATION, DATE, AND CONTENT OF THIS IMAGE. THIS PHOTO IS DISTRIBUTED EXACTLY AS RECEIVED BY AFP. AFP PHOTO / KCNA via KNS RESTRICTED TO EDITORIAL USE - MANDATORY CREDIT " AFP PHOTO / KCNA via KNS " - NO MARKETING NO ADVERTISING CAMPAIGNS - DISTRIBUTED AS A SERVICE TO CLIENTS

A Coreia do Sul está pronta para fazer um ataque preventivo contra a Coreia do Norte caso apareçam sinais de uso iminente de armas nucleares pelo país. A informação foi dada hoje (10) pelo representante do Ministério da Defesa da República da Coreia, Mun San Gun.

Segundo a agência Yonhap, que cita Mun San Gun, a Coreia do Sul “poderá realizar um ataque preventivo baseando-se no direito à autodefesa”.

O anúncio é feito no início das manobras navais conjuntas das marinhas da Coreia do Sul e dos Estados Unidos – Invincible Spirit 2016 -, que ocorrem ao longo de toda a extensão da costa sul-coreana, no Mar Amarelo, Mar do Japão e perto da ilha de Jeju.

Participa dos exercícios o porta-aviões americano Ronald Reagan, que se encontra na Base Militar em Yokosuka, no Japão. O navio tem capacidade para transportar cerca de 80 aviões e 5,4 mil homens. O Ronald Reagan está acompanhado pelos destróiers Curtis Wilbur (DDG-54), John S. McCain (DDG-56), Fitzgerald (DDG-62), Stethem (DDG-63) Barry (DDG-52), sendo também possível a participação do bombardeiro estratégico stealth B-2, que será deslocado a partir da Base Aérea americana de Andersen, na ilha de Guam, no Pacífico. Espera-se que os exercícios conjuntos sirvam de alerta para a Coreia do Norte.

No dia 9 de setembro, apesar da proibição por parte do Conselho de Segurança, a Coreia do Norte fez seu quinto teste nuclear, considerado o maior da história do país, com potência equivalente a 10 toneladas de explosivo. Todos os três mísseis lançados caíram na zona econômica exclusiva do Japão, o que foi avaliado como uma ameaça direta para a segurança do país.