Copa: Estrangeiros devem deixar R$ 6,7 bilhões no País

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Os 6copa00 mil turistas previstos para chegar no Brasil durante a Copa do Mundo deverão deixar no País R$ 6,7 bilhões, considerando que terão um gasto médio de R$ 5,5 mil reais durante a estada. O setor hoteleiro está razoavelmente satisfeito: é o que esperavam, nem mais, nem menos. É o que informa reportagem do site do jornal espanhol El País no Brasil.

De acordo com o Trip Advisor, o Rio de Janeiro é o destino onde o visitante gastará mais, aproximadamente R$ 1.520. Caso fique 12 dias, apenas para ver os jogos da primeira fase, este valor alcançaria R$ 18.240, R$ 12.740 a mais do calculado pelo governo. O destino mais barato, Recife, também supera em R$ 500 as previsões.

A Argentina, rival futebolístico eterno da seleção canarinha, é o país que mais enviará torcedores e virão ao Brasil para assistir os jogos no bar. Segundo a presidente Dilma Rousseff, 200 mil argentinos chegarão ao País, mas apenas 53.809 hermanos têm ingressos, de acordo com a FIFA.

Os norte-americanos superarão em número as outras torcidas de fora (125.465), depois os colombianos (60.231) e alemães (55.666). Os brasileiros, porém, colorirão a maioria das arquibancadas de verde e amarelo, com 57% do total de ingressos de um público de 2,3 milhões de torcedores.

Para os sem-ingresso, não há problemas, uma vez que poderão ver os jogos de qualquer televisão. Já para os sem-quarto, será complicado. Os dados de ocupação dos hotéis, recolhidos pela Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih), indicam que a média de ocupação das 12 cidades-sede durante a Copa é de 76,5%, com Fortaleza encabeçando a lista.

A capital do Ceará, com 95% de ocupação hoteleira, não é o melhor lugar para viajantes de última hora. No Rio de Janeiro, onde a rede hoteleira conta com 31 mil quartos, também será complicado encontrar hospedagem entre esse 10% de quartos que ainda estão livres. São Paulo, Belo Horizonte e Curitiba já têm 60% das vagas preenchidas.

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.