Coordenadora do MEC orienta sobre planos municipais de Educação

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

mecAprovado e publicado o Plano Nacional de Educação (PNE), começa uma nova etapa: a construção de planos estaduais e municipais. O prazo para que isso seja feito é um ano, a partir da publicação da lei do PNE. Segundo o Ministério da Educação (MEC), 50% dos municípios alegam ter um plano municipal; muitos deles com erros.”Mesmo aqueles municípios que têm um plano municipal terão que adequá-lo ao novo PNE”, explica a coordenadora-geral de Implantação dos Planos Estaduais e Municipais de Educação da Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino do MEC, Rosiléa Maria Wille.

A recomendação, segundo ela, é de que os municípios comecem a elaborar os planos mesmo sem a sanção do PNE, aprovado hoje (28) pela Câmara dos Deputados. O Legislativo ainda vai discutir os destaques à matéria, na semana que vem, e depois disso o PNE será enviado ao Palácio do Planalto para sanção da presidenta Dilma Rousseff.

O plano, que deveria ter entrado em vigor em 2011, estabelece metas para a educação a serem cumpridas nos próximos dez anos. Entre as diretrizes estão a erradicação do analfabetismo e a universalização do atendimento escolar. Além de se adequar às metas e estratégias do plano nacional, os municípios e estados terão que indicar ações para o cumprimento de cada uma delas. Prontos, os planos terão ainda que ser aprovados pelas câmaras municipais e assembleias legislativas dos estados.

A secretária de Educação de Alto Longá (PI), Ozileide Soares, é uma das que terá que começar do zero. O município não tem plano. “Começamos um diagnóstico para saber quantos estão fora da escola”. No município, a maior dificuldade será o cumprimento da meta da inclusão de 50% das crianças até 3 anos em creches. A secretária explica que só recentemente o município conseguiu a aprovação da construção da primeira creche.

Em oficina no 6º Fórum Nacional Extraordinário dos Dirigentes Municipais de Educação, em Florianópolis, Rosiléia orientou os gestores na elaboração. É preciso fazer um diagnóstico do município, um levantamento que mostre a situação e o atendimento nas escolas. A recomendação é formar um grupo para a elaboração do plano, que conte com a participação de diversos entes. O Ministério Público também deve ser convidado para acompanhar o processo.

Em Juquitiba (SP), o plano já foi elaborado. Segundo o secretário de Educação, José Augusto Lima, o município fez questionários e mobilizou professores, entidades e representantes da sociedade para a atualização do antigo plano, que terminou em 2013. Juquitiba adiantou-se e seguiu a redação do PNE, mesmo com a matéria ainda em tramitação no Congresso Nacional, mas com a expectativa de possíveis adequações.

Para ajudar os gestores, o MEC vai disponibilizar o portal Planejando a Próxima Década – Construindo os Planos de Educação, quando o PNE for sancionado. Nele será possível consultar dados dos municípios e estados, e acessar sugestões personalizadas de trajetórias para o cumprimento das metas.

O MEC também disponibilizará assistência técnica. Desde meados do ano passado, 3 mil municípios solicitaram a ajuda e estão sendo atendidos. Os gestores devem procurar a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) nos estados para se cadastrar.

Outro portal, De Olho nos Planos, organizado por seis entidades, entre elas a Undime, permite aos gestores o acesso a outras experiências e a informações sobre como incentivar processos participativos e utilizar indicadores. O site http://www.deolhonosplanos.org.br também acompanha, com o registro dos gestores, a elaboração dos planos.

Fonte: ABr

Denuncias e Informações? Chat via WhatsApp