Conselheiros Tutelares registram criança abandonada no setor Papillon Park

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Foi registrada em cartório na manhã dessa quarta-feira (26) a recém-nascida Emauele Cristina, abandonada dentro de uma mala no setor Papillon Park, na última segunda-feira (24). A ação foi realizada pelos Conselheiros Municipais, da Zona 145, que foram destaque nacionais pelo acolhimento realizado à criança.

Emanuele foi encontrada por moradores e atendida rapidamente pela equipe de emergência do SAMU, que a encaminharam para maternidade Municipal Marlene Teixeira para os primeiros atendimentos. Resguardada pela equipe do Conselho Tutelar da Zona 145, a criança foi acompanhada e recebeu o acolhimento institucional, quando é encaminhada ao abrigo da cidade.

Para garantir o nome à recém-nascida, o Conselho Tutelar realizou a ocorrência no 1º DP e encaminhou ao Juizado da Infância e Juventude para a solicitação judicial de registro. “Ter um nome e ser registrado é um direito que está garantido no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Temos o dever de assegurar esse direto. O nome foi escolhido ainda dentro da maternidade por todos que se sensibilizaram com a história”, explicou o Conselheiro Iron Cordeiro.

Os Conselhos Tutelares trabalham para garantir e assegurar os direitos de todas as crianças e adolescentes do munícipio. Tem a função de zelar, proteger, acolher e defender todos que precisam de atendimento.

“Temos que enfatizar o empenho e respaldo que a secretaria de Assistência Social dá aos Conselhos Tutelares de Aparecida. Além disso, destacar também o trabalho da equipe multidisciplinar, como a Saúde, Juizado e Polícia Civil, que trabalham de mãos dadas para garantir o melhor serviço e atendimentos às crianças e adolescentes de Aparecida”, completou Iron Cordeiro

A recém-nascida Emanuele Cristina, nasceu com nove meses e está saudável, se alimenta bem e já foi encaminhada para o abrigo de Crianças e Adolescentes de Aparecida de Goiânia. As investigações sobre o caso são de responsabilidade da polícia Civil.

Cada Conselho Tutelar de Aparecida atua em uma área correspondente à sua zona eleitoral. São três unidades que contam com cinco membros titulares e seus respectivos suplentes. A função de conselheiro tutelar é de dedicação exclusiva ao cargo e o exercício da função não configura vínculo empregatício ou estatutário com o município.

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.