Cidades: Sem respostas, professores deixam Secretaria da Educação de Goiânia

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

grevistasCerca de 40 professores municipais em greve, que ocuparam a sede da Secretaria Municipal de Educação (SME), em Goiânia, na tarde de quinta-feira (29), deixaram o local por volta das 23h. De acordo com Sindicato Municipal dos Servidores da Educação de Goiânia (Simsed), a manifestação foi “espontânea” e não havia planejamento para invasão. “Eles estão tomando uma atitude ilegal, que é remanejar os funcionários temporários de escola durante a paralisação. A gente só queria uma resposta”, disse ao G1 o diretor jurídico da entidade, Antônio Gonçalves Rocha Júnior.

Segundo o sindicalista, apesar do movimento, nenhum representante da SME atendeu os professores. “O nosso movimento foi pacífico, não causamos nenhum dano ao patrimônio público, mas a secretaria mostrou seu autoritarismo mais uma vez e não nos atendeu. Eles encerraram o expediente, cortaram a energia do prédio, fecharam os banheiros, tudo para evitar que ficássemos lá”, relatou.

A SME informou, em nota, que entrou em contato com os professores de contrato temporário para oferecer a possibilidade de remanejamento para instituições educacionais em funcionamento. Somente na quinta-feira, segundo a pasta, cerca de 160 funcionários demostraram interesse em retomar as funções.

Ainda segundo a secretaria, a desocupação dos manifestantes aconteceu por volta das 21h, e não 23h, como informado pelo sindicato. Por conta da manifestação, a SME ressalta que o expediente ainda não foi totalmente normalizado nesta sexta-feira (30) por conta da ” necessidade de limpeza e reparos”.

A secretaria ressaltou, ainda, “que dispensou os funcionários lotados no local em razão da invasão de cerca de 20 servidores em greve. A medida tornou-se necessária tendo em vista que o grupo agrediu verbalmente servidores do Departamento de Gestão de Pessoal [DGP] e impediu a realização do trabalho. O objetivo foi resguardar todos os servidores de mais constrangimentos e agressões.”

Antes de ocupar a secretaria, os professores protestaram, ao lado de outras categorias que estão em greve, no cruzamento das avenidas Goiás e Anhanguera. Em passeata, os manifestantes seguiram para a Praça Cívica. Segundo a Polícia Militar, mais de 700 pessoas participaram do ato.

[saiba_mais]

Greve
A greve dos professores começou no último dia 26. De acordo com o Simsed, cerca de 90% dos 10 mil servidores aderiram ao movimento. A categoria reclama que a prefeitura não cumpriu o acordo firmado entre as partes em outubro do ano passado, após os servidores pararem as atividades. As principais reivindicações são o aumento salarial e o retorno das gratificações.

A SME garante que está cumprindo o acordo firmado com a categoria e afirma que, entre as medidas, está o “reajuste salarial para professores de 8,32% neste ano, mantendo o piso salarial 7,3% acima do piso nacional”. O órgão disse ainda que “o decreto nº. 1248/2014 formaliza no âmbito da administração municipal o que determina a Lei de Responsabilidade Fiscal”.

G1

Notícia postada em  

  • 30 de maio de 2014
  • Da Redação