Cidades: Ita recolhe 500 veículos que prestam serviço à prefeitura de Goiânia

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

caminhoesA Ita Empresa de Transportes suspendeu na segunda-feira (26) o contrato com a Prefeitura de Goiânia , alegando atraso de 11 meses no pagamento do aluguel de 500 veículos, entre eles ambulâncias e caminhões. O mesmo número de funcionários foi demitido. “Chegou a um momento de insustentabilidade da situação. Temos nossa limitação de crédito e temos que honrar com nossos compromissos com fornecedores e empregados”,disse ao G1 o diretor da empresa, Márcio Palmerston. Ele, contudo, preferiu não informar o valor da dívida.

A prefeitura de Goiânia disse que não vai comentar a suspensão do serviço porque as negociações com a contratada continuam.

A frota retirada das ruas inclui ônibus, caminhões, vans, carretas e ambulâncias. Com o recolhimento dos veículos, inúmeros serviços ficam prejudicados na capital como manutenção da iluminação pública, limpeza de boca de lobo e urbana, traslado de lixo, coleta seletiva, transporte de pacientes e servidores e veículos usados no serviço administrativo.

A situação também prejudica os funcionários, que receberam o aviso prévio no mês passado. Trabalhando há um ano e meio na Ita, o motorista Bruno Siqueira da Silva disse que se surpreendeu quando foi informado da demissão. “Todo mundo tem seu compromisso, tem filhos, esposa, tem casa. Tenho que procurar um novo emprego. A nossa esperança é de que acertassem e nós continuássemos na Ita”, lamentou em entrevista à TV Anhanguera.

A suspensão do contrato com a empresa que fornecia os veículos aumenta ainda mais crise da Prefeitura de Goiânia, pois três categorias estão em greve. Os últimos a parar as atividades foram os professores e funcionários administrativos da rede municipal de ensino.

greve1Servidores da educação
Os servidores da educação anunciaram a greve no dia 22, mas só iniciaram o movimento na segunda-feira (26). O Sindicato Municipal dos Servidores da Educação de Goiânia (Simsed) afirma que cerca de 70% das escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (Cmeis) estão sem aula. Entretanto, a Secretaria Municipal de Educação alega que 70% das unidades de ensino funcionaram nesta quarta-feira (28).

A categoria reclama que a prefeitura não cumpriu o acordo firmado entre as partes em outubro do ano passado, após os servidores pararem as atividades. As principais reivindicações são o aumento salarial e o retorno das gratificações.

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação informou que está cumprindo o acordo firmado com a categoria e afirma que, entre as medidas, está o “reajuste salarial para professores de 8,32% neste ano, mantendo o piso salarial 7,3% acima do piso nacional”. O órgão disse ainda que “o decreto nº. 1248/2014 formaliza no âmbito da administração municipal o que determina a Lei de Responsabilidade Fiscal”.

Agentes de trânsito
Os agentes da Secretaria Municipal de Trânsito (SMT) estão em greve desde o último dia 9. Segundo o presidente do Sindicato dos Agentes de Trânsito de Goiânia (Sinatran), Clauber Maia, os agentes reivindicam melhores condições de trabalho e o cumprimento de um plano de carreira e salários, que já foi aprovado pela administração municipal no fim do ano passado.

O sindicato ainda pede que a SMT tenha funcionários com especialização técnica. Além disso, reclama que smtfalta convênios com as polícias que atuam na capital e que os agentes se sentem desprotegidos nas funções.

A SMT informou que já foi aberta uma negociação com os agentes de trânsito e que os serviços como atendimento a semáforos apagados, congestionamentos, obras e eventos continuam mantidos.

gcmGuardas civis
Os primeiros a entrar em greve, no dia 6 de maio, foram os integrantes da Guarda Civil Metropolitana (GCM) de Goiânia. Os guardas são responsáveis por proteger prédios públicos e pela segurança urbana preventiva.

De acordo com o presidente da Associação da Guarda Civil, Romário Policarpo, eles reivindicam um aumento salarial de 25 a 30 %, valor que teria sido acordado com a prefeitura no ano passado, mas que eles não receberam. Eles também querem melhores condições de trabalho.

Segundo a GCM, as reivindicações dos trabalhadores já estão sendo atendidas. No entanto, as exigências precisam de prazo para serem cumpridas.

Fonte:G1

Denuncias e Informações? Chat via WhatsApp