Cerveró diz que Renan ameaçou tirar apoio político por falta de propina

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado, negou o fato.

O ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró disse que o presidente do Senado, Renan Calheiros, ameaçou tirar o apoio político que o ajudava a se manter no cargo na pretolífera por falta de pagamento de propina. A afirmação foi feita em um depoimento da delação premiada de Cerveró, que foi preso pela Lava Jato há um ano e está detido na carceragem da Polícia Federal (PF), em Curitiba.

De acordo com o ex-diretor, Renan Calheiros(PMDB-AL) reclamou em uma reunião, em 2012, por não receber repasses de proprina.

A Operação Lava Jato, deflagrada em março de 2014, investiga um esquema bilionário de desvio de dinheiro na Petrobras. Nestor Cerveró já foi condenado pela Justiça em processos originados a partir da operação por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro.

O ex-diretor também responde a outras ações penais, que ainda não foram sentenciadas. No fim de 2015, Nestor Cerveró virou delator da Lava Jato. A delação dele foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Outro lado
O senador Renan Calheiros negou os fatos contidos nas declarações de Nestor Cerveró. Por meio de nota, o presidente do Senado informou que já prestou as informações requeridas e que está à disposição para novos esclarecimentos.

Gratidão
Também em depoimento de delação premiada, Cerveró disse que foi alçado ao cargo de diretor da BR Distribuidora – subsidiária da estatal – devido a um ato de gratidão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo o ex-executivo, a troca foi feita pelo fato de ele ter ajudado o Grupo Schahin a vencer uma licitação para o aluguel de um navio-sonda para a Petrobras.

O negócio é apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como uma forma de pagamento por parte do Partido dos Trabalhadores (PT) a um empréstimo de R$ 12 milhões feito para o pecuarista José Carlos Bumlai.

Sobre as acusações de Cerveró sobre a BR Distribuidora, o Instituto Lula afirmou que não comenta vazamentos ilegais, seletivos e parciais de supostas alegações que alimentam o mercado de delações sem provas em troca de benefícios penais.

G1

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.