Centro-direita se mantém como principal força na Eurocâmara, mas eurocéticos aumentam presença

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Os resultados parciais das eleições para o Parlamento Europeu, divulgados pela União Europeia neste domingo (26/05), indicam que o Partido Popular Europeu (PPE), grupo de centro-direita, seguirá sendo a afiliação política com mais deputados em Bruxelas. Eles terão que conviver, também, com mais representantes eurocéticos, que obtiveram resultados expressivos na França, Reino Unido e Alemanha.
Apesar da vitória, o PPE também será o partido como a maior queda na votação em relação ao pleito de 2009: passará de 35% dos votos para, aproximadamente, 28%, o que representa 212 deputados.

O segundo partido com mais votos será mais uma vez a Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas (centro-esquerda) que deve conseguir 185 deputados, resultado inferior ao esperado pelo grupo do atual presidente do Parlamento, o alemão Martin Schulz. Os partidos Liberal e o Verde devem ser, respectivamente, a terceiro e quarta forças na Eurocâmara.
Neste ano, a presença foi ligeiramente maior do que em 2009: em 2014, 43,09% dos eleitores compareceram às urnas, contra 43% então. No total, 751 cadeiras estavam em disputa.

Países
As eleições europeias confirmaram especulações levantadas nas pesquisas eleitorais nos últimos meses. Na França, o partido de extrema-direita Frente Nacional foi o mais votado, à frente dos tradicionais UMP e Partido Socialista. O primeiro-ministro francês, o socialista Manuel Valls, considerou a vitória do partido de Marine Le Pen um “terremoto político”.
Na Espanha, os resultados destas eleições representaram o que a imprensa do país chama de fim do bipartidarismo. Pela primeira vez, os dois principais partidos PP (centro-direita) e PSOE (centro-esquerda) não obtiveram a maioria dos votos. A grande surpresa da noite foi o partido Podemos, fundado há poucos meses por ativistas políticos, que conseguiu mais de um milhão de votos e se tornou a quarta força política do país.

Candidato à presidência da Comissão Europeia pela Esquerda Europeia, o grego Alexis Tsipras conseguiu levar o SYRIZA a uma vitória frente ao partido governista do primeiro-ministro Antonis Samaras. Outro fato importante no país foi a votação do partido neonazista Aurora Dourada, que, com 9,3% dos votos, deve levar dois deputados entre 21 a que a Grécia tem direito no Parlamento Europeu.

Na Alemanha, a surpresa foi a queda dos conservadores, representados pela CDU (União Democrata-Cristã), liderada por Angela Merkel, e a votação dos eurocéticos AfD (Alternativa para a Alemanha). O partido, fundado pouco antes das eleições parlamentares de 2013, conseguiu 7% dos votos e conquistou sete das 96 cadeiras.
Os eurocéticos também vieram com força no Reino Unido. O UKIP (Partido da Independência do Reino Unido), de plataforma anti-imigração e anti-integração com a União Europeia, ficou na frente de Conservadores e Trabalhistas e alcançou a primeira posição, com 29,28% dos votos e 12 das 73 cadeiras a que o país tem direito.

[saiba_mais]
Acordo político
Se o cenário político apresentado pelas parciais se confirmar, apenas acordos políticos instáveis poderão definir os próximos presidentes da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu. Para governar, tanto o PPE quanto os Socialistas teriam que fazer uma aliança com mais de 3 ou 4 partidos. A outra hipótese para a aprovação de qualquer candidato é um acordo entre os dois principais partidos, possibilidade descartada pelos líderes de ambos os grupos.

Denuncias e Informações? Chat via WhatsApp