Catadores se reúnem com Rollemberg para garantir direitos

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Trezentos profissionais que atuam no Lixão da Estrutural encontram-se com o governador Rodrigo Rollemberg para saber onde vão garantir o sustento com a construção do Aterro de Samambaia.

Receosos com a desativação do Lixão da Estrutural, prevista para o segundo semestre deste ano, ontem, 300 catadores comparecem ao Palácio do Buriti para cobrar uma posição do Executivo. O projeto original estabelece que os cerca de 2,7 mil trabalhadores sejam direcionados para centros de triagem. Porém, dos sete previstos, nenhum está pronto. “Nosso medo é não ter como trabalhar e sobreviver. São muitas famílias que vivem do lixo”, comentou uma das presentes, que preferiu não se identificar. A presença de crianças no Lixão da Estrutural — apontada pelo Correio na edição da última quinta-feira — também foi abordada.
O Executivo garante trabalhar para que garotos e garotas não entrem no espaço, mas admite a dificuldade. Nos próximos dias, os diferentes órgãos que compõem o grupo de transição para o Aterro Sanitário de Samambaia vão se reunir a fim de executar um plano emergencial para evitar a situação.
“O governo, sistematicamente, controla a entrada no espaço, com relatório diários. Não conseguimos cumprir todo o ciclo para evitar qualquer hipótese de crianças trabalhando por lá. Por isso, faremos uma reunião emergencial para montar um plano de monitoramento”, detalhou o governador, Rodrigo Rollemberg (PSB).
A diretora da SLU, Kátia Campos, disse que o esforço é diário para evitar a presença de crianças no local. “Procuramos, quando possível, identificar os pais delas. Alguns levam os pequenos com a justificativa de não ficarem sozinhos nas ruas.” Campos explica que boa parte de garotos e garotas rompem as cercas ao redor do espaço para entrar. “São 200 hectares. Mesmo assim, mantemos uma equipe que faz a reparação diariamente”, justificou.
O Correio denuncia, desde a semana passada, o trabalho infantil no Lixão da Estrutural. Constantemente, são flagradas crianças, entre 10 e 14 anos, disputando o espaço com adultos.
Amparo
Outra preocupação dos catadores é com o futuro deles. Com obras em fase de finalização, a previsão do GDF é que o novo aterro sanitário, em Samambaia, comece a operar em julho. Não será permitida a entrada de catadores de lixo no local. Eles, então, serão direcionados para os centros de triagem — três operados pela Secretaria de Meio Ambiente e quatro pelo Sistema de Limpeza Urbana (SLU). O detalhe revelado pelo Executivo é que as obras estão em fase de licitação e devem começar somente em agosto. A previsão é que os primeiros sejam concluídos em julho de 2017. Moisés Pereira dos Santos, 34 anos, está com medo. “O meu questionamento é o mesmo de tantos outros que tiram o sustento do Lixão da Estrutural. Para onde vamos? Até então, não sabemos, e temos medo do que pode ocorrer conosco”, expôs.
CorreioBraziliense

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.