Caso Marelo Motors: Polícia Civil prende dois executores do crime

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Vítimas foram executadas em frente a uma garagem de veículos, toda ação foi filmada

A Delegacia Estadual de Investigações de Homicídio (DIH) prendeu os executores do um duplo homicídio em Goiânia. Foram presos Bruno Thiago L. Souza e Jack Nicholson Lopes do Nascimento. Um adolescente infrator também foi apreendido por atuar como motorista que levou os atiradores ao local do crime.

O homicídio aconteceu no dia 18 de fevereiro deste ano, por volta das 17h na concessionária Marelo Motors, no Parque Oeste Industrial, em Goiânia. As vítimas são o proprietário da empresa, Paulo Eurípedes Caetano (apelidado de “Marelo”), e seu amigo Diego Lopes de Sousa. Os dois foram mortos com disparos de arma de fogo calibre 9 milímetros e .40.

Durante as investigações, a DIH requisitou as imagens das câmeras de segurança da loja, que filmaram os executores desembarcando de um veículo Hyundai/HB20 branco e atirar nas vítimas. O veículo usado no crime foi roubado seis dias antes e incinerado, após a prática do homicídio, no Residencial São Marcos.

Bruno Thiago Souza foi o primeiro a ser preso pela polícia. Em interrogatório, ele confirmou ter participado do roubo do veículo HB20 e indicou seu comparsa Jack Nicholson como sendo o atirador e o menor como motorista que os levou até a concessionária. Na residência de Bruno, foi cumprido mandado de busca e apreensão, onde a polícia encontrou um par de tênis e a jaqueta usada no dia do crime, além de armas de fogo.

Em seguida foi preso Jack Nicholson Lopes do Nascimento, que em interrogatório declarou ter participado do roubo do veículo.

Para a Polícia Civil, os três envolvidos no assassinato da concessionária Marelo Motors agiram mediante promessa de recompensa, já que Bruno Thiago afirmou que receberia R$ 1.500,00 para matar as vítimas e o adolescente também receberia dinheiro.

A vítima Paulo Eurípedes Caetano já tinha passagens policiais e era investigado por tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e por integrar organização criminosa. Ele teria sido morto como forma de “queima de arquivo”. Agora, a Delegacia de Homicídios trabalha para identificar os mandantes do assassinato.

Denuncias e Informações? Chat via WhatsApp