Cachê de 850 mil de Leonardo não inclui gastos com palco

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sim, todos os goianos já sabem que o governador Marconi Perillo (PSDB) contratou para o réveillon de quinta-feira, 31 de dezembro, o show Cabaré, dos cantores Leonardo e Eduardo Costa, por R$ 850 mil, pagos exclusivamente com dinheiro público. O que poucos, no entanto, sabem é que nos R$ 850 mil não estão inclusos gastos com aluguel e montagem de palco e equipamentos. Ou seja, o gasto total com o show Cabaré pode superar R$ 1 milhão. Só no atual mês de dezembro, de acordo com o Diário Oficial, foram gastos mais de R$ 3 milhões em todo o Estado com shows.

Em Goiás, o líder do PMDB na Assembleia Legislativa, deputado José Nelto, entrou com representação no Ministério Público Estadual pedindo investigação sobre os valores do contrato entre o governo goiano e a empresa Talismã, de propriedade do cantor Leonardo. Segundo o parlamentar, são fortes os indícios de que os valores pagos pelo show estão superfaturados.

De acordo com portais especializados, os shows mais requisitados e caros do País na atualidade são dos cantores Wesley Safadão, Ivete Sangalo e da dupla sertaneja Jorge e Mateus. O cachê deles varia entre R$ 400 e R$ 500 mil reais. O espetáculo Cabaré, de Leonardo e Eduardo Costa, não figura nem entre os dez mais caros – a lista do top 10 termina na faixa dos R$ 150 mil.

Como há uma corrida por eventos no réveillon, os cachês aumentam. Ainda assim, não há nenhum parâmetro para os valores pagos pelo governo de Goiás. Individualmente, a contratação de Leonardo não ultrapassa R$ 100 mil. Em dupla com Eduardo Costa e em data especial, acredita-se que o evento possa valer R$ 200 mil a R$ 250 mil. Ou seja, até quatro vezes menos do que o valor do contrato.

A decisão de José Nelto de cobrar investigação ocorre em meio a condenação do cantor Zeca Pagodinho, no Distrito Federal. Contratado em 2008 para dois shows no DF, o pagodeiro foi condenado por cobrar valores acima dos praticados por ele em outros eventos. Zeca Pagodinho foi condenado a três anos de prisão e teve a pena revertida em multa e serviços sociais.

A vereadora carioca Teresa Bergher (PSDB) criticou lá, no Rio, um gasto alto – mas ainda assim menor do que o goiano – com o réveillon de Copacabana. “É um escândalo pagar cachês tão altos num momento de crise. A Riotur não é casa da mãe Joana, nem dinheiro público está num cofrinho para se gastar como se bem entende.”

Goiânia não é roteiro turístico, o réveillon aqui não gera arrecadação, e o Estado atravessa uma situação financeira caótica, com dificuldades para honrar compromissos básicos como folha de pagamento. Basta lembrar que mais de 30 mil servidores ainda não receberam nem o 13º salário a que tem direito. Mesmo assim, Marconi Perillo continua torrando dinheiro público como bem entende.

GoiasReal

Notícia postada em  

  • 29 de dezembro de 2015
  • Da Redação