Brasil leva o primeiro prêmio em Cannes com documentário “Cinema Novo”

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

“Cinema Novo”, documentário de Eryk Rocha sobre o maior movimento cinematográfico brasileiro, que reuniu nos anos 60 nomes como Glauber Rocha e Nelson Pereira dos Santos, venceu neste sábado o L’Oeil D’Or, premiação paralela que premia o melhor documentário de todo o festival.

“Cinema Novo” conta a história do movimento através de imagens de arquivo e trechos de 130 filmes que fizeram parte do movimento, como os clássicos “Terra em Transe”, “Vidas Secas” e “Rio, 40 Graus”. “Era um movimento de futuro, que questionava qual é o lugar da políica e do cinema no mundo em que se vive. Se o filme criar esse espaço de reflexão, já me dou por satisfeito”, disse o diretor em Cannes.

Esta foi a segunda edição do prêmio, criado em 2015 pela Scam, associação que reúne autores do setor audiovisual, literatura e imprensa na França. O prêmio foi dado por um júri presidido pelo italiano Gianfranco Rosi, vencedor do Urso de Ouro em Berlim neste ano com “Fogo no Mar” e do Leão de Ouro em Veneza há três anos com “Sacro GRA”. Amir Labaki, diretor do festival de documentários É Tudo Verdade, foi um dos membros do júri.

Este é o primeiro prêmio do Brasil no festival. Neste domingo, há mais duas chances de premiação: o curta “A Moça que Dançou com o Diabo”, de João Paulo Miranda Maria, que concorre à Palma de Ouro em sua categoria; e o longa “Aquarius”, de Kleber Mendonça Filho, aclamado pela crítica. Há chances de prêmio para o filme (a Palma de Ouro ou algum prêmio do júri), direção ou a Palma de melhor atriz para Sonia Braga, num ano que não mostrou muitas outras fortes atuações – sua maior concorrente é a alemã Sandra Hüller, da comédia “Toni Erdmann”, o filme mais elogiado pela imprensa ao longo do festival.

UOL

Denuncias e Informações? Chat via WhatsApp