Banco do Brics poderá ter países de fora do bloco como membros

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

bancoO banco de desenvolvimento do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul,  poderá ter como membros países desenvolvidos e em desenvolvimento que não fazem parte do bloco.

“O banco poderá se abrir a novos membros. Vamos esperar candidaturas, os membros poderão ser países em desenvolvimento e desenvolvidos”, disse o subsecretário de Instituições Econômico-Financeiras e Cooperação Internacional do Ministério da Fazenda, Fernando Pimentel.

Conforme antecipado pela Agência Brasil, a criação do banco será assunto debatido na 6ª Cúpula de Chefes de Estado e de Governo do Brics, que acontecerá em Fortaleza e em Brasília entre os dias 14 e 16 de julho.

Em discussão há dois anos, o banco pretende atender a demandas do bloco não contempladas totalmente pelas grandes instituições financeiras globais. O banco terá orçamento de US$ 100 bilhões, com aportes fiscais igualitários entre os países-membros. A previsão é que a instituição leve cerca de dois anos para entrar em funcionamento porque precisará ser aprovada pelos parlamentos dos cinco países, definir suas regras internas e receber o aporte inicial, que deverá ser US$ 50 bilhões, US$ 10 bilhões em dinheiro e US$ 40 bilhões em garantias.

Ainda não está definido se países não membros poderão tomar empréstimos na nova instituição. “O banco deve suprir a necessidade, que é cada vez mais evidente, de financiar projetos de infraestrutura, de desenvolvimento sustentável, não só do Brics, mas de países de fora do Brics”,  explicou o embaixador José Alfredo Graça Lima, subsecretário-geral político 2, em coletiva de imprensa no Ministério das Relações Exteriores.

A sede do banco também não está definida, mas apenas o Brasil não se candidatou para abrigar a instituição. Segundo Lima, foram apresentadas as candidaturas de Xangai (China), Joanesburgo (África do Sul), Moscou (Rússia), Bombaim e Nova Deli (Índia). “Para oferecer uma sede é preciso  ter um edifício, pessoal, tudo que cerca a parte física e institucional. Os outros países talvez estejam mais adiantados que o Brasil”, disse o embaixador. “Não significa que Brasil não possa ter alguma aspiração com relação às demais decisões que cercam a constituição do banco”, acrescentou.

Além do banco, o grupo deverá assinar o Tratado Constitutivo do Arranjo Contingente de Reservas, que instituirá um fundo no valor de US$ 100 bilhões para auxiliar os membros que, no futuro, estejam em situação delicada no balanço de pagamentos. A expectativa dos governos do grupo é que até 15 de julho esteja tudo acertado para as assinaturas tanto do tratado como do acordo para a criação do banco de desenvolvimento do Brics.

ABr

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.