Balanço do GDF: realizações e promessas de campanha que não saíram do papel

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Governador destaca a redução do rombo nas contas de R$ 6,5 bilhões para R$ 3 bilhões, graças a, segundo ele, aumento da arrecadação e corte das despesas. Mas admite que ainda há gargalos em setores importantes, como educação, saúde e transportes

As derrubadas na orla do Lago Paranoá, a redução de homicídios e o lançamento do programa de parcerias público-privadas foram as principais realizações do primeiro ano de gestão do governador Rodrigo Rollemberg. Ontem, ele reuniu todo o secretariado para apresentar um balanço do trabalho à frente do Palácio do Buriti. Mais uma vez, adotou o discurso de herança maldita e afirmou que recebeu um “governo de terra arrasada”, mas prometeu avanços para 2016. Setores importantes, como saúde, educação e transporte, não tiveram muito espaço no balanço apresentado. Rollemberg reconheceu que ainda existem gargalos nessas áreas. Sobre a questão econômica, afirmou que o Executivo cortou despesas e aumentou a arrecadação, mas ainda enfrenta um rombo de R$ 3 bilhões. O governador deu nota sete para o primeiro ano de gestão. “Mas prefiro que a população faça essa avaliação.”

A apresentação das ações de 2015 ocorreu no auditório do Memorial JK. Além de todo o primeiro escalão, secretários adjuntos, presidentes de empresas e de agências vinculadas ao governo participaram do anúncio. Logo no início do evento, Rollemberg afirmou que assumiu o Buriti com um rombo de R$ 6,5 bilhões. “Isso exigiu muito sacrifício do governo e da população, mas estamos obtendo sucesso. Reduzimos o deficit e estamos caminhando para o equilíbrio financeiro.” Familiares de Rollemberg, como a primeira-dama, Márcia, e a mãe do governador, Teresa, assistiram à apresentação.

O chefe do Executivo disse que houve um esforço para reduzir as despesas durante o primeiro ano do mandato. “Cortamos R$ 1 bilhão em despesas de custeio, como viagens, consultorias e cargos comissionados.” Mas declarou que ainda existe um deficit de R$ 3 bilhões. De acordo com a área técnica do GDF, com a crise macroeconômica, o governo deve manter a dificuldade para fechar a folha de pagamento em 2016. Entre os principais pontos apresentados pelo governo, estão o lançamento do aplicativo Siga Brasília e a renegociação de R$ 1 bilhão de débitos inscritos em dívida ativa. Na área social, o governador listou a inauguração da Casa da Mulher Brasileira, a reforma de conselhos tutelares e a criação da residência inclusiva para jovens e adultos com deficiência.

Gargalos
No balanço apresentado ontem, havia poucas realizações nas áreas de saúde, educação e transportes. A retomada da construção do Bloco 2 do Hospital da Criança e a redução de 18% nos casos de dengue foram mostradas como as grandes ações na área de saúde. Desde o início do ano, os hospitais públicos enfrentam problemas como desabastecimento de medicamentos, falta de pessoal, centros cirúrgicos fechados, problemas na UTI, e em setores como pediatria, cardiologia, oncologia e cirurgias eletivas.

O governador admite o gargalo na área. “Reconhecemos os problemas na saúde. Quando assumimos, não havia remédio nas prateleiras dos hospitais e nós tínhamos um deficit financeiro enorme — só na saúde a dívida chegava a R$ 600 milhões. Estamos equilibrando as contas e vamos garantir a ampliação da rede de assistência, a melhor gestão dos recursos humanos e dos insumos, para que a gente possa garantir um serviço melhor para a população.”

» Executar medidas para recompor salários e benefícios de servidores de diferentes carreiras.
» Fazer com que todas as escolas funcionem em tempo integral.
» Retomar o programa que garante um salário mínimo a todo aluno do ensino médio que concluir o ano com aprovação.
» Fornecer tablet para cada aluno do ensino médio das escolas públicas.
» Contratar, por concurso público, agentes comunitários de saúde para realizar ações preventivas.
» Implantar policlínicas odontológicas em todas as cidades.
» Construir o Hospital do Câncer.
» Devolver aos cidadãos, por meio do Nota Legal, os valores dos impostos recolhidos na compra de medicamentos.
» Criar o bilhete único para integrar todo o sistema de transporte coletivo.
» Construir a via Interbairros.
» Fazer uma linha de transporte rápido para Sobradinho, Planaltina e Formosa e de trem urbano para Luziânia.
» Inaugurar quatro restaurantes comunitários.
» Construir e equipar clínicas públicas para tratamento de dependentes de droga.
» Criar em todas as cidades centros de arte e cultura.

As realizações apresentadas pelo governo em 2015

	Ed Alves/CB/D.A Press - 30/9/15

» Corte de R$ 1 bilhão nas despesas de custeio, como viagens, combustível, aluguel e comissionados.
» Redução de 14,4% dos homicídios.
» Queda de 18,5% das mortes no trânsito.
» Lançamento do programa das parcerias público-privadas.
» Desobstrução da orla do Lago Paranoá.
» Retomada da obra do novo aterro sanitário.
» Obras de urbanização em regiões como Sol Nascente e Vicente Pires.
» Negociação de R$ 1 bilhão em dívidas inscritas na dívida ativa.
» Lançamento do aplicativo Siga Brasília.
» Reforma nas instalações físicas de conselhos tutelares.
» Inauguração de 13 novas creches.
» Reconstrução do Centro Educacional 7 de Ceilândia.
» Retomada da construção do Bloco 2 do Hospital da Criança.
» Repasse de R$ 33 milhões para projetos do Fundo de Apoio à Cultura.

 

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.