Armas: Arsenal do Estado Islâmico foram produzidas em 25 países, aponta relatório

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Segundo Anistia Internacional, ‘décadas de comércio irresponsável de armas’ no Iraque por parte de EUA, Rússia e dezenas de países fortaleceram extremistas

Segundo a Anistia, a maior parte do armamento do EI consiste em itens roubados do Exército iraquiano. O grupo extremista se beneficiou indiretamente da enorme entrada de armas no Iraque após a invasão dos Estados Unidos em 2003, que proporcionou ao EI “um arsenal vasto e letal”. Em sua ofensiva dentro do Iraque, o grupo tem amealhado armamento do Exército – inclusive dezenas de tanques e veículos de combate – , que é distribuído entre os combatentes até a Síria. Além dos roubos, o tráfico ilegal de armas também abastece o grupo extremista.

“Décadas de livre fluxo de armas para o Iraque significaram que quando o EI tomou o controle de algumas áreas, eles se sentiram como crianças em uma loja de doces. O fato que países como o Reino Unido tenham acabado inadvertidamente armado o EI deveria nos fazer refletir sobre os atuais acordos de exportação de armas”, disse Oliver Sprague, diretor do programa sobre armamento da Anistia Internacional no Reino Unido.

De acordo com o relatório, a arma preferida dos extremistas segue sendo rifle russo Kalashnikov, mas o grupo usa armas e munição produzidas em pelo menos 25 países. Somente na categoria de armas pequenas, o grupo tem em mãos exemplares do rifle iraquiano Tabuk, da norte-americana Bushmaster E2S, da chinesa CQ, da alemã G36 e da belga FAL, entre outras.

A Anistia diz que os países que exportaram estas armas estavam cientes dos riscos, já que sabiam que no Iraque a corrupção e a vulnerabilidade do governo dificultariam o controle das armas que estavam chegando ao país.

Segundo o site de notícias RT, somente em 2014 os Estados Unidos exportou o equivalente a 500 milhões de dólares em armas e munição para o Iraque.

Operamundi

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.