Agefis diz que GDF vai reaver custos com desocupação do hotel

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Na segunda-feira, os presos na ocupação será levados ao Núcleo de Custódia da Polícia Civil.

Em coletiva realizada neste domingo (5/6) sobre a desocupação e retirada de ocupantes do Torre Palace Hotel, no Setor Hoteleiro, a secretária de Estado de Segurança Pública Márcia de Alencar afirmou que a ação da polícia ocorreu para garantir a segurança. “Ocorreu porque os sem-teto usaram crianças como escudo. Isso é errado, oportunista. Desta maneira, tivemos que reagir”.

Ela afirmou também que a recomendação pessoal do governador do Distrito Federal Rodrigo Rollemberg é proteger a vida das pessoas. “É por isso que a força que será usada na nossa gestão será a do diálogo e a do convencimento”, completou.

Segundo ela, Brasília amanheceu aliviada. “Aqui ainda é a capital da esperança. Lugar liderado por um governador que antes de ser um político é um humanista e um pacifista. Não criminalizamos movimentos sociais, mas combatemos as organizações criminosas que se instauram nelas”, completou.

Sobre os custos da operação, a presidente da Agefis, Bruna Pinheiro disse que o governo irá reaver o dinheiro e o prédio será fechado: “A conta ainda não fechou. Ainda vamos gastar dinheiro com isso. Certamente nem o GDF nem a população, que não tem nada com isso, não vai pagar. Quem tem que pagar são os proprietários do edifício. Pode demorar, mas vamos reaver o dinheiro para os cofres públicos”.

Operação

O coronel Nunes, comandante da PM, afirmou que os policiais neutralizaram a ação sem machucar ninguém. “Eles estavam com 15 botijões de gás que poderiam se tornar verdadeiras bombas, por isso tivemos que acionar o Bope, Tropa de Choque, dois helicópteros e equipes de negociação experientes. Chegamos à exaustão. Há dois meses uma pessoa caiu lá de cima e morreu. Aquilo tornou-se insustentável para Brasília”.

Ele afirmou que 53 militares trabalharam durante a operação. “Buscamos sempre a preservação da vida. Disponibilizamos nossos melhores recursos médicos para atender aos manifestantes caso fosse necessário, e também destacamos forte aparato para combater qualquer foco de incêndio no Torre Palace”, disse o comandante.

O diretor-geral da Polícia Civil do DF, Eric Seba, disse que era necessário fazer algumas considerações sobre o MRP. “São pessoas criminosas. Foram presos porque estão envolvidos em situações fora da lei. Isso não é um movimento social que está sendo criminalizado e sim um movimento criminoso sendo socializado”, afirmou. Segundo Seba, Edson Silva, líder do movimento, já estava sendo investigado desde o ano passado. “Ele responde a muitos crimes em SP. Afrontou o poder público”. Todos os presos serão apresentados na segunda-feira (6) ao Núcleo de Custódia.

O secretário de saúde, Humberto Lucena Ferreira, afirmou que o local estava muito sujo. “O nosso objetivo era tentar evitar que o local se tornasse foco de doenças para a região. Voltamos lá depois da desocupação e, nesta segunda, começamos a refazer a parte sanitária da operação”, explica.

CorreioBraziliense

Notícia postada em  

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e nosso Termos de Uso, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.