Brics terá papel importante na economia do Brasil em 2023

O BRICS terá um papel de fundamental importância para o Brasil a partir de 1º de janeiro de 2023 — quando o próximo presidente (ou o mesmo) começará a exercer seu mandato.

Da Redação
01/06/2022 - 09:46
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Telegram
  • Compartilhe no WhatsApp

Brics terá papel importante na economia do Brasil em 2023

A cerca de quatro meses das eleições presidenciais que vão selar o destino do Brasil, os olhos do mundo se voltam para o país na expectativa de saber quais rumos serão adotados pelo novo chefe do Executivo, principalmente no que se refere ao mercado externo e às relações políticas.
Isso inclui, por extensão, a inserção do Brasil no BRICS, grupo que reúne o maior país da América do Sul além de Rússia, Índia, China e África do Sul.
Recentemente, o vice-chanceler russo Sergei Ryabkov declarou que os países-membros estarão no centro de uma nova ordem mundial.
Embora os laços tenham se fortalecido nos últimos anos, como ficará o bloco diante das eleições de 2022, sobretudo diante das pressões ocidentais relacionadas à operação militar especial da Rússia na Ucrânia?
A Sputnik Brasil conversou com o professor de relações internacionais Charles Pennaforte, da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel), na tentativa de entender sobre como o próximo presidente, independentemente do nome escolhido pelo povo, deve se comportar em relação ao BRICS a partir de 2023.

Pressão ocidental entra na equação do BRICS?

Na avaliação de Pennaforte, os movimentos dos Estados Unidos e da União Europeia — a partir do envio de pacotes militares bilionários para a Ucrânia, sanções econômicas pesadas contra o Kremlin e até mesmo um discurso russofóbico — não devem interferir nas relações do Brasil com o BRICS.
De acordo com ele, a maior pressão foi desenvolvida pelos EUA no âmbito internacional. Já a União Europeia não possui uma política externa própria para os grande temas internacionais, pois sempre está a reboque de Washington.
“Em relação ao Brasil também sofremos algum tipo de pressão, mas que não possui muita efetividade em função do nosso governo nunca ter tido uma posição pró-Biden desde as últimas eleições dos EUA. Acredito que a posição brasileira foi correta: o conflito da Ucrânia é regional e foi transformado em global pela atuação dos EUA e da UE. A argumentação utilizada por Washington e Bruxelas é extremamente cínica: apoiam governos que violam os direitos humanos de maneira sistemática, como por exemplo, a Arábia Saudita e nunca pensaram em um bloqueio similar contra Riad”, criticou.
Pennaforte sublinhou, ainda, que o BRICS terá um papel de fundamental importância para o Brasil a partir de 1º de janeiro de 2023 — quando o próximo presidente (ou o mesmo) começará a exercer seu mandato.

“É um atalho para o protagonismo brasileiro no cenário global ao lado de outros parceiros que terão papel importante no século XXI. Mesmo o governo de Jair Bolsonaro (PL), que iniciou com um discurso ambíguo contra o BRICS, mas foi obrigado a mudar sua posição diante dos fatos econômicos”, avaliou.

A julgar pelo que mostram as pesquisas divulgadas nesta semana, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pode se eleger em 1º turno e superar Bolsonaro, seu principal adversário atual na seara política nacional.
O professor aponta que, caso a vitória seja dessas forças políticas do espectro de esquerda e centro-esquerda capitaneadas por Lula, certamente o BRICS terá uma nova retomada. Isso reflete diretamente em sua condução das relações com o bloco.
“Na minha concepção estamos vivendo grandes transformações sociais, políticas e econômicas que não passarão mais pelo mundo Euro-Atlântico”, afirmou ele.

Novo eixo econômico

A partir daí, Pennaforte avalia a formação de um novo eixo econômico impulsionado pela China.
A participação do gigante asiático, sendo uma principais economias do mundo, por si só, já garante ao BRICS um papel de destaque.
“A Rússia com a sua retomada como player global no início do século XXI e compartilhando com os seus membros uma visão multipolar, a mesma da China, garante melhores posições nas discussões da agenda global. Estamos vivendo em um momento de transição global e o novo eixo econômico não será mais o mesmo dos últimos 200 anos. O Brasil deve se preparar para isso e o BRICS é a melhor forma para esperar essa mudança”, enfatizou.
Sob o ponto de vista estratégico, prossegue ele, a ampliação das relações entre os países-membros do BRICS é muito importante.
Isso porque aglutinar os países que possuem a mesma visão de mundo multipolar e sob condições econômicas mais justas é a melhor forma de se adaptar à nova ordem econômica que está surgindo.
“Na minha visão é importante aceitar novos membros e, assim, ampliar a força do BRICS como uma nova liderança não só econômica como política. Que os novos membros entrem como ‘associados’ e dinamizem o processo de trocas. Vale ressaltar que as assimetrias existentes são fatores importantes para dificultar o avanço do BRICS como uma nova força geopolítica e econômica. Contudo, é possível ajustar agendas nos temas mais importantes e de consenso. Cabe aos líderes facilitar esse processo”, concluiu.
Fonte: SputnikBrasil